domingo, 8 de abril de 2012

FOTO HISTÓRICA


Encontrei esta foto na internet. Funcionários do Banco do Brasil, agência de Itabaiana, no antigo e primeiro prédio onde funcionou o banco na cidade. Hoje é a loja de Marcos Oliveira, irmão de Zito.

Só reconheci meu compadre Chiquinho Bezerra, o único negro do grupo. Quem identificar alguém, por favor nos informe.

Trabalhei neste prédio, na 23ª Delegacia do Serviço Militar. Era uma repartição do Exército. Aos dezessete anos, eu prestava serviço de datilógrafo, cedido pela Prefeitura.

As fotografias são matérias da memória coletiva que nos permitem recuperar formas de ser e de agir dos diferentes grupos sociais do passado. Agora mesmo estou trabalhando em projeto de resgate da memória de Itabaiana e pesquiso fotografias que me permitam construir um painel dos nossos grandes artistas itabaianenses.

Preciso de fotos de Biu da Rabeca, Chico do Doce, Pingolenço, Mestre Duda do Zumbi, Arlinda Cirandeira e tantas outras figuras de diversas épocas históricas.

Agradeço a ajuda de quem tiver esses registros fotográficos.  

************************************************************************* 

 
Fábio, seguem os nomes e/ou apelidos de quase todos esses colegas que me antecederam. 

De cima para baixo: Marcílio Onofre, Cardoso Gordo, Flávio Barbosa de Albuquerque, Ailton Pinheiro de Sousa (Parrá), ................ , Acácio Maracajá, José Porfírio de Albuquerque FIlho (Zezinho Popó), Renato Augusto, Francisco Bezerra de Lima (Chico Bezerra), Josué Roque Fernandes (professor de Português), Gonzaga, Manuel Araújo, .................. , José do Nascimento Barreto, Francisco Cardoso, Manoel Raimundo Pordeus Bringel (Nelito), Pedro Edson Oquendo Sampaio (gerente), ......................., o sub-gerente, José Aguiar, ..................., Fernando Aquino (Professor), e Célio Silva.

Margaret Lígia

*******************************************************************************

Prezado Fábio:

O segundo da esquerda para a direita é o ex-caixa Luiz Cardoso. Tomava

um "pau arretado". Num dos seus enormes pileques foi atravessar a
ponte e caiu no leito do Paraíba. Seu relato no dia seguinte: "me
senti voando e dei de cara com a areia fina do rio. Tava tão
friinha..." ;  prova cabal de que Deus protege os inocentes... e os
bêbedos também.

Erasmo Souto



3 comentários:

  1. Esse prédio hojé é ama loja de roupa
    Edgles

    ResponderExcluir
  2. José Mário R. Pacheco8 de abril de 2012 19:29

    João Duré teve prejuízo, porque no local da queda de Cardoso, não nasceu mais capim.

    ResponderExcluir
  3. Fábio o segundo da esquerda para a direita é meu TIO LUIZ CARDOSO...saudades! vou guardar...todos os dias visito seu blog e do meu irmão MARCONI.(carlos lucena)

    ResponderExcluir