domingo, 30 de abril de 2017

POEMA DO DOMINGO


Breve tratado sobre coisa nenhuma

A vida
são mortes fracionadas.
É preciso tratar
cada instante delas
como veículo natural
de renascimento.

Podemos organizar a vida
pelo espectro de cores:
Os lances azuis
para os dias celestiais.
Matizes vermelhas,
misteriosas estações
na travessia rumo ao
imponderável sumo e gozo;
O branco total,
incerto armistício
aportando em mares
nunca dantes soçobrados.

Transubstanciadas vidas
consagradas ao nada.
Raio sinuoso de vazio
que nos diz da vertigem
de manter-nos inutilmente
em íntima relação
com secreta e pessoal
eternidade.


F. Mozart

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Verso inédito de Manuel Xudu

Meu grande poeta Fábio Mozart, só agora tomei conhecimento do livro do príncipe da poesia, o amado Xudu. Tive o grande privilégio de vê-lo cantar com outro amigo poeta, Cícero Batista, poeta menor que Xudu, mas grande poeta também. Estava presente outro monstro da poesia, Severino Ferreira, que pediu o 'mote': “Quanto é triste o poeta não poder expressar o que sente na viola. Então Xudu expressou essa pérola:

Severino poeta da elite,
Que cantava na rádio Tabajara,
Com sua voz muito doce fina e clara
E todos de lhe ouvir tinham palpite.
Atacou-lhe terrível faringite
Cada amígdala inchou como uma bola.
Vinho tinto, cachaça e coca-cola
O doutor proibiu-lhe de beber
Quanto é triste o poeta não poder
Expressar o que sente na viola.


Abraço,poeta!

Ivanildo G. de Oliveira

terça-feira, 25 de abril de 2017

Thiago Alves sobre o programa "Alô comunidade"

Fábio Mozart entrevista o poeta Marconi Araújo

O Programa de rádio Alô Comunidade, da Rádio Tabajara da Paraíba, apresentado pelo jornalista, escritor, poeta e dramaturgo Fabio Mozart, tem sido um poderoso veículo motivador da cultura popular em várias localidades onde é ouvido. Transmitido por várias outras emissoras, o programa divulga o potencial da cultura do povo, despertando nas pessoas interesse em apoiar o crescimento e conservação de seus valores.

Como grande incentivador da cultura do povo, Mozart tem despertado ideias, realizado sonhos e aberto novos caminhos do conhecimento. Mostrado a vida, obra e costumes de personagens que se destacaram em épocas remotas e atuais, revivendo memórias de figuras que marcaram épocas. 
O Alô Comunidade tem sido um programa impulsionador de tudo isso, através do eloquente âncora Fabio Mozart.


Thiago Alves (Poeta cordelista e artista plástico)

domingo, 23 de abril de 2017

POEMA DO DOMINGO


Tatatá

Nomear o inominável
como quem controla
perpétua oscilação
entre o absurdo
e a bolha do paradoxo.

Com as palavras que restam
editar o silêncio
dar à luz aos gritos mudos
formatar as histórias
de sonhos não acordados
e jamais lembrados.

E tatatá e tatatá
batendo na dactilografia
e rodando no mimeógrafo
que talvez exista ainda
basta escutar a fala constante
de sua geração perdida e agonizante
extremamente velha e viciada
que se perde – me perde
no fim do fôlego, sopro epílogo
de nossa aparvalhada galera
repetindo antigas derrotas.

F. Mozart


quinta-feira, 20 de abril de 2017





Foto de Antonio David é poesia pura.

Nova polêmica na internet: esse jogo Baleia Azul é coxinha ou mortadela?

O mundo voltou a ser um paiol de pólvora governado por um paió de bostas.

Novo escândalo: vai vazar a lista da Oderbicha com os deputados gays.
“Michel Temer foi o maior mau caráter que já conheci”. (Henfil)
Quem semeia propina colhe licitação.
Tirando a gororoba que servem aos passageiros, voar de avião é seguro.
“Não leve o sexo a sério. No fundo, sexo é uma tremenda gozação.” (Millôr Fernandes)
Aos vinte anos, temos pênis. Aos quarenta, temos pomba com bico de gavião. Aos sessenta, resta-nos um símbolo fálico falido.
“Solteirão é o marido da solteirona”- (Sonsinho)
“O Ministro do Superior Tribunal acha que está sentado à mão direita de Deus.” (Millôr Fernandes)
É certo aceitar-se afirmações sem prova concreta de sua veracidade? Sim, na poesia e na fé religiosa.
O homem era vagabundo até Adão comer a maçã. Aí, Deus inventou a CLT.
Evite frustrações, pratique o auto-engano.
Freud explica que você é muitas vezes neurótico e psicopata, passou pela fase oral, anal e fálica e, quando garotinho, gostava de comer merda.
Não se sinta um lixo, apenas um ser humano.
Com certa boa vontade, podemos ser considerados uma “pessoa normal”.
“Temer quer usurpar o lugar de Pinóquio”, disse o deputado Luiz Couto.
“Medíocre, sem carisma, antiquado, sem liderança — e traiçoeiro, acabará de vez com a democracia e com nosso país, levando-o para o abismo", completou Luiz Couto sobre o Michel.
Vereadora Eliza Virgínia torceu o joelho e tirou foto para o Facebook. Ajoelhou e não rezou.
“A vida é uma maratona que todo mundo perde.” (Millôr Fernandes)


Outra de Millôr: “No meio da corrupção, descobriu-se que não há luz no fim do túnel. Na verdade, nem construíram o túnel. Comeram a verba.”


segunda-feira, 17 de abril de 2017

Prefeitura de João Pessoa patrocina livro de poemas de Fábio Mozart

A Prefeitura de João Pessoa, através da Fundação de Cultura (Funjope-FMC), aprovou o projeto de Fábio Mozart na área de literatura para publicação do livro de poemas “Laranja romã”.  O Fundo Municipal de Cultura conta com um aporte de R$ 1,5 milhão para projetos na área de música, dança, cultura popular, literatura, artes visuais, circo e artes integradas e aprovou 70 projetos, cujo resultado foi divulgado nesta segunda-feira, 17.
Mozart desafia a poesia. Duvida de sua existência, mas também a endeusa. Saca sua fluidez, seus ritmos e ritos. Toca sua casca, chupa sua essência, vomita o bagaço. A poesia de Fábio Mozart lembra uma laranja-cravo, cheia de gomos e aromas. Com bagos unidos, mas diferentes. Mas, afinal, o que é mesmo “poesia”, senão a arte de embrulhar palavras e vendê-las no mercado público da sensibilidade humana?”, escreveu o jornalista Dalmo Oliveira no prefácio do livro.
O FMC é disposto pela Lei 9.506/01 e regulamentado pelo decreto 4.469,  aberto a pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos, desde que tenham domicílio em João pessoa e atuem na área cultural. Cada proponente só poderia inscrever apenas um projeto.

domingo, 16 de abril de 2017

POEMA DO DOMINGO


Lugar da máscara

a vida que expõe ao tempo
a verdadeira fragilidade
nas tentativas vãs
fios delimitam
essa vontade
de inventar
o verso que
ainda não há
antes que se finde
nosso prazo de validade

Sandoval Fagundes